terça-feira, 3 de novembro de 2009

A FAMÍLIA DE JESUS AINDA EXISTE.


Série: Mensagens no evangelho de Marcos.

Marcos: 3: 31-35

Introdução:


Correria. Com certeza essa expressão é uma das mais ouvidas nesses últimos anos. Não tenho tempo disso, falta-me tempo para aquilo outro e assim por diante. A correria diária tem nos tornado escravos de um tempo que teima em não parar. Horário de entrega de serviço, prazos finais para estudo e assim segue a nossa vida rumo ao envelhecimento e uma produtividade imaginária. Até porque sempre teremos o que fazer no dia seguinte, independente de levarmos serviço para casa ou não.

Transição:


Jesus também viveu dias assim. Como estudamos na reflexão anterior, Jesus cura enfermos, é recriminado pelos escribas, e vê sua família querendo leva-lo embora devido a falta de cuidado na alimentação de Jesus e o excesso de trabalho. É aqui que devemos parar em nossa meditação. O versículo 33 parece uma declaração áspera de Jesus e até uma falta de respeito com sua mãe: quem é minha mãe, e quem são meus irmãos? No entanto essa declaração vem acompanhada de ensinamentos eternos para nós hoje. Longe de uma recriminação Jesus sabia o que estava fazendo. O que podemos aprender com Jesus quando os dias se tornam curtos demais para terminarmos o que começamos?

I) Há dias que passam rápido demais para aqueles que amam e fazem a obra de Deus.

- o versículo 22 diz que uma multidão estava assentada ao redor de Jesus.
- O ministério de Cristo estava tendo uma aceitação pelo povo. Aqueles que se achegavam a ele se admiravam de sua doutrina e sua forma de ensino.
- Jesus entende que a oportunidade de ensinar esse povo está diante dele, então ele aproveita cada minuto do seu tempo para isso.
- Ao ponto de sua própria família se preocupar com ele.
- Como Jesus tenho visto muitas pessoas que se gastam e deixam-se gastar em prol de pessoas que estão precisando ouvir algo dos céus.
- Irmãos e irmãs em Cristo que doam a sua vida pela oportunidade de levar Jesus as pessoas. E como resultado, não são compreendidos naquilo que fazem e desejam fazer.
- Mas o prazer dessas pessoas está exatamente nisso: fazer a vontade de Deus.
- Se entendermos que a maior necessidade do homem não está no que ele precisa para o corpo, mas sim para a alma também aproveitaríamos o tempo que temos para divulgar a vontade de Deus.
- Aqui podemos abrir um parêntese para alertar aos nossos líderes que não percam a oportunidade de usar o seu púlpito para pregar a Palavra somente a palavra... sola escriptura!!.
- Quantos cultos ocupados na sua maioria por louvores e avisos, quando as pessoas estão ansiosas por ouvir a Poderosa Palavra de Deus. Aproveite seu púlpito! Não o desperdice! Ainda há tempo para expressarmos a vontade e o amor de Deus aos homens.

II) Para o reino de Deus o parentesco não é meramente uma questão de carne ou sangue, é uma questão de aceitação.

- A família de Jesus está do lado de fora da casa. Jesus com muitas pessoas ao seu redor pregando e ensinando o evangelho do reino.
- Possivelmente Jesus está há muitas horas ensinando por isso, comer se torna coisa rara. Sua mãe e seus irmãos vêem essa atitude como uma loucura e o procura para leva-lo para casa. Na verdade, a família de Jesus não compreendiam muito bem seu ministério, como pode ser visto no versículo 21, pelo evangelista: ...achavam estar ele fora de si... Mas, quando informado sobre sua família estar do lado de fora esperando por ele, Jesus dá uma resposta que no mínimo soa para muitos esquisita: qualquer um que fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, e minha irmã, e minha mãe.
- E aí Jesus ensina os verdadeiros valores do reino: Jesus ensina que em sua família, a família espiritual, os relacionamentos são mais importantes e duradouros do que aqueles constituídos pelas relações de parentescos.
- A família de Jesus vai além de Maria, José e seus irmãos de sangue, ela aceita novos membros e não exclui pessoa alguma.
- Isso não tira a importância da família de Jesus, e ele não os estava desmerecendo. Mas, ele também se importava com os que o amavam.
- Na verdade quem é que não tem na vida amigos mais chegados que a sua própria família? Quantas vezes por falta da família carnal, você pode contar com a família de Cristo? Alguns mais chagados que um irmão realmente.
- Constantemente vejo na igreja, pessoas que vieram de outras regiões do nosso pais deixando sua família e vivendo anos sem vê-los. Na verdade a família carnal não perdeu seu valor e nem diminuiu a estima e o amor. Mas, novos vínculos são criados, com amigos na nova situação que os faz criar fortes laços de amizade e companheirismo. Ao ponto de faze-los valorizar esse relacionamento a comparar com o de irmãos de carne.
- É isso que ocorre geralmente na família de Cristo. Novos relacionamentos são formados ao ponto de terem o valor de família realmente.
- E isso é relevante em nosso mundo que se torna cada vez mais informatizado e impessoal. Onde os relacionamentos afetuosos entre membros da família de Deus passam a assumir um papel de grande importância.
- A igreja pode proporcionar o carinho e o cuidado pessoal que muitas pessoas não encontram em qualquer outro lugar.
- E as vezes nem mesmo no seio da sua própria família carnal.
- E esse é o espírito das palavras de Jesus a respeito de seus irmãos.

Conclusão:


- Jesus reforçou que sua família transpassaria os limites do tempo e do espaço.
- Ela ainda existe.
- E você pode fazer parte dela.
- Você quer?


Pr. Fábio Ramos da Silva

IPR- de Marília-SP.

Nenhum comentário: